quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Câmara debate serviço social na educação

A Audiência Pública, solicitada por Angelo Almeida (PT), debateu a inserção do assistente social nas escolas do munícipio.



“Esse é o momento de colocarmos as escolas no centro da proteção social”. A afirmação da assistente social e coordenadora do Grupo de Trabalho de Serviço Social na Educação da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Marcela Silva, resume o sentimento que foi impresso em todos que participaram da Audiência Pública que aconteceu na manhã desta quinta-feira (31), na Câmara de Vereadores de Feira de Santana, sobre a inserção do assistente social nas escolas do munícipio, solicitada pelo vereadores Angelo Almeida (PT), através da comissão de Direitos Humanos, e Justiniano França (DEM).
Com o plenário e galeria da Casa da Cidadania completamente lotados, diversas pessoas debateram o tema, com grande participação de estudantes do curso de Serviço Social.
O representante do Conselho Municipal de Assistência Social, Alfredo Barbosa, disse que a luta em prol da presença do assistente social na educação deve ser coletiva e ressaltou a importância do apoio e empenho da Câmara de Vereadores. “Essa é uma luta que reafirma o compromisso de todos nós com idéias de igualdade, justiça social e equidade”, disse Alfredo Barbosa, que afirmou ainda: ”É possível, sim, participar da construção continuada de uma outra sociabilidade que reconheça os direitos como matriz fundante da cidadania”.
Marcela Silva, chamou atenção para a ampliação da assistência para toda comunidade escolar. “A presença desse profissional vai garantir o cuidado não só do aluno, mas de toda comunidade escolar. Professores estão adoecendo, servidores estão desmotivados, e assim como os alunos precisam de acompanhamento para que a escola venha a funcionar plenamente, os outros integrantes da rede também precisam e o assistente social integrando essa corrente vai ajudar a promover esse avanço”. Ela sinalizou ainda que “quanto mais assistentes sociais tivermos em espaços públicos, mais teremos chances de distribuir os direitos”, finalizou.
“Precisamos lutar pela inclusão do assistente social nas escolas porque essa medida faz a transformação e muda a realidade”, garantiu a assistente social da Universidade Estadual de Feira de Santana, Ana Alice Brandão Rodrigues.
O vereador Justiniano França (DEM) ressaltou a importância da aprovação da lei proposta pelo vereador Angelo Almeida (PT), que obriga a escola a informar aos Conselhos Tutelares sobre as faltas consecutivas de alunos da rede municipal de ensino. O projeto está em tramitação na Casa. “Temos que ter uma equipe multiprofissional que faça a ponte entre escola e família. Eu não vejo como hoje a escola está funcionando sem o profissional de serviço social”.
Jonas da Silva Almeida, representante do Núcleo de Estudos de Serviço Social na Educação, informou que o profissional já está presente em duas instituições de Feira de Santana, A Escola Padre Ovídeo e na Universidade Estadual de Feira de Santana. Já a Secretaria de Educação de São Félix, Elba Matos de Oliveira, compartilhou a experiência do município que teve o projeto que garante a participação do profissional nas escolas aprovado recentemente, estando em fase de implantação. O vereador Angelo Almeida defendeu a implantação da Lei em Feira de Santana.
“O governo municipal de São Félix está de parabéns por ter tido a sensibilidade de perceber a importância da estruturação da rede de proteção dentro das instituições de ensino. Vamos lutar para que em Feira de Santana, prevaleça a mesma política social que pode, e muito, contribuir para a transformação do nosso ensino”, acrescentou o vereador.

AUDIÊNCIA PÚBLICA EM FEIRA DE SANTANA- BA



NÚCLEO DE ESTUDOS EM SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE  FEIRA DE SANTANA



A partir de uma demanda da Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis da UFRB junto ao Serviço Social da Universidade Estadual de Feira de Santana, abriu a possibilidade de darmos a continuidade aos trabalhos sobre a visibilidade para a discussão da Inclusão do Serviço Social nas Escolas de Feira de Santana. Como resultado do encontro entre o setor e a Comissão Organizadora do grupo originado da UFRB, firmou-se a proposta da continuação do Grupo de Estudos como forma de construção do conhecimento, constituição de novas intervenções e envolvimento de novos estudantes e profissionais, além de materializá-la como força transformadora da realidade feirense através do grupo envolvido no processo.
A Universidade Estadual de Feira de Santana tornou-se o local principal na realização das atividades do Núcleo de Estudos Serviço Social na Educação (NESSE), no qual reconhece-se não só a necessidade de abrir fóruns de discussões e ajudar na formação dos estudantes na área de educação, mas também de mencionar a capacitação dos profissionais que atuam na área, como ao mesmo tempo tem como um de seus princípios a elaboração e disseminação de pensamentos, contribuindo para o estudo do tema para a região e municípios circunvizinhos.
É importante pontuar a presença de profissionais como Marcela Mary José da Silva, Antônia Mascarenhas Lima de Jesus, Ana Clara da Costa Nunes, Ana Alice Brandão Rodrigues que têm estimulado, através de discussões, estudantes e profissionais a trabalharem em prol do direito de inclusão do Serviço Social nas Escolas de Feira de Santana. Para tanto, são realizados encontros e mobilizações para que a temática torne-se cada vez mais clara e alcance não somente o Serviço Social, mas também, haja o reconhecimento de outras profissões e da sociedade.
            Diante disso, a Câmara municipal de São Gonçalo dos Campos vem encaminhando essa discussão de forma sistemática sobre a presença do Assistente Social nas escolas.  Já na cidade de Feira de Santana o Assistente Social está presente no ensino fundamental e médio na Escola Padre Ovídio com a Assistente Social Ana Clara da Costa e no ensino superior na Universidade Estadual de Feira de Santana as Assistentes Sociais Ana Alice Brandão Rodrigues , Cláudia de Souza e Almeida , Alana Mara Santos dos Anjos Ferreira, contando com colaboração de Kátia Mª de F. J. Carvalho e Angélica Maria Moreira
A desigualdade social apresenta-se no interior das escolas de forma contundente e retrata a vulnerabilidade das famílias e das comunidades, portanto é necessária a existência de um profissional assistindo não só os estudantes, mas também os professores, funcionários e a comunidade em torno da escola em parceria com outras ações setoriais. A equipe que atualmente compõe o quadro de funcionários, os pedagogos e professores, não tem uma formação pra lidar com estas questões, já que a capacitação destes focaliza os processos de aprendizagem, a relação com os conteúdos e a construção do perfil dos estudantes. O assistente social atua na consolidação dos direitos sociais e é perceptível que a escola é um lugar farto em demandas para esses e outros profissionais.
A violência escolar tem aumentado sobremaneira e não é um fenômeno da Bahia, mas nacional, a questão do abandono escolar, o índice de reprovação ainda é muito grande e a questão de muitas escolas estarem em lugares de vulnerabilidade social onde as drogas se apresentam constroem um panorama que requer urgência de respostas.
Vale ressaltar que nas reuniões é elucidado o fato de que esta luta não consiste em trazer benefícios para os Assistentes Sociais, mas sim de atender uma demanda da própria sociedade, pois é possível identificar que nas escolas há um grande índice de problemas sociais que afetam o aprendizado dos alunos, sendo, portanto, necessária a atuação de profissionais do Serviço Social, já que estes são preparados para trabalhar com estas questões. Assim, ressalta-se que a proposta não é defender maiores frentes de trabalho para categoria profissional, mas abrir a possibilidade de garantirmos a escola como espaço de construção de direitos e cidadania.
São Gonçalo realizou na câmara de vereadores, plenária onde uma das pautas foi sobre o Serviço Social na Educação no intuito de fazer o curso nessa cidade e pedir uma audiência pública para mostrar a todos o quanto é necessário debater e levar esse assunto até a população, foi mostrada toda importância para as escolas e conseqüentemente os municípios ao aceitar o profissional de Serviço Social, pois o mesmo formará parcerias com professores e pedagogos ajudando no desenvolvimento da escola e da comunidade.
Todos esses espaços de aprendizagem, fomentam discussões e disseminam informações do contexto no qual estão inseridos os participantes do Núcleo e a equipe organizadora, além de suscitar a importância do fortalecimento da classe organizacional e estimular o debate teórico que vincula uma relação entre o serviço social, este novo contexto educacional e a sociedade contemporânea tendo como diretiva o projeto ético-político da profissão.
O NESSE 2011 está trabalhando em cima de questões como : o Grupo de Trabalho Serviço Social na Educação (GTSSEDU) , a Importância da Inclusão do Serviço Social nas Escolas, questões sobre Bullying na área educacional, a real importância sobre a relação entre o conceito da Cidadania está inserido na Educação, ocorreu a participação em sessão especial na cidade de São Gonçalo dos Campos, também discutimos a real importância sobre a desmistificação do  transtorno mental, trabalhamos com análise fílmica sobre a violência no âmbito estudantil, debatemos sobre educação especial, realizamos dois cursos  com o tema “SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO DESAFIOS E PERSPECTIVAS”.
Neste segundo semestre iniciamos a discussões sobre Toque de Acolher retratando a real importância que este Projeto de Lei iria trazer para a nossa cidade, realizamos uma ampla discussão sobre Violência Sexual e Doméstica com a participação do Centro de Referência visando como uma das reflexões de que maneira este jovem estudante saberá enfrentar estas questões dentro de sua casa sem interferir aos seus estudos. Uma das discussões mais importantes neste semestre foi a discussão sobre Violência Escolar e Drogas, de maneira que trabalhamos uma ampla discussão como nossa cidade que se encontra fragilizada nestes requisitos.  Enfim não podemos deixar de comentar o incentivo a pesquisa ao grupo que neste mês de outubro sairá a publicação de artigos de nossos participantes.
 O sucesso escolar tão almejado por todos: família, alunos e professores, diretores, vereadores, secretários e prefeitos será garantido na medida em que haja uma grande articulação entre os direitos sociais expressos através das políticas públicas e o profissional de Serviço Social pode, através da mobilização social, tornar o sucesso escolar, tão almejado por todos, algo contínuo que vai se traduzir no desenvolvimento de todas as potencialidades do mesmo. 
   

Plenária da Audiência Pública na Câmera de Vereadores de Feira de Santana

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

VII Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente


Órgãos e entidades interessadas em participar da VII Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente devem inscrever-se até esta quarta-feira (28), na Casa dos Conselhos, situada na rua Domingos Barbosa de Araújo, 160, bairro Kalilândia. As inscrições podem ser feitas até as 17 horas.
A VII Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente será realizada na próxima segunda-feira (3) e terça-feira (4), no Centro Comunitário Ederval Fernandes Falcão, situado na rua Deraldo Alves Costa, 171, Baraúnas. O evento visa a consolidação do princípio da Prioridade Absoluta, preconizada na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Semana do IDOSO

Com o tema “Desafios do Envelhecer”, a Universidade Aberta à Terceira Idade (Uati) realiza, de 3 a 5 de outubro de 2011, a 6ª Semana do Idoso no campus da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). A programação prevê palestras, mesas redondas e apresentações culturais, além de atividades esportivas durante os 4º Jogos Olímpicos da Terceira Idade.

Dentre os objetivos da 6ª Semana do Idoso... estão a socialização de estudos, trabalhos e experiências das Uati’s da Bahia, o diálogo entre profissionais que atuam ou vivenciam o processo de envelhecimento e a oportunidade para que os idosos pratiquem atividades que promovam o envelhecimento ativo.

O público alvo é formado por idosos, profissionais, estudantes, familiares e a comunidade. Confira a programação no portal www.uefs.br. Outras informações na Uati através do telefone (75) 3161-8228.

SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTAGIÁRIOS BAHIATURSA

VAGAS: 105 nível superior e 35 nível médio;


CURSANDO: Turismo, Direito, Administração, Secretariado, Arquitetura (Auto CAD), Jornalismo, Relações Públicas, Relações Internacionais, História, Letras, Tecnologia em Gestão de Eventos, Design Gráfico, Artes Plásticas, Ciências Contábeis, Arquivologia, Biblioteconomia, Serviço Social, Engenharia Mecânica, Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Processamento de Dados;


ANO / SEMESTRE: Do 03º ao 07º semestre para nível superior e do 01° ao 02° ano para nível médio;


HORÁRIO DE ESTÁGIO: 04 horas diárias / 20 horas semanais (área administrativa) e 05 horas diárias / 25 horas semanais (postos de informações turísticas);


VALOR DA B.A.: R$ 545,00 (área administrativa), R$ 681,25 (postos de informações turísticas) e R$ 302,00 (estudantes de nível médio);


BENEFÍCIOS: Auxílio Transporte;


PROVAS: Dia 09/10/2011 ? das 08:00h às 12:00h (maiores informações consultar edital no site do CIEE a partir do dia 29/09/2011).


INSCRIÇÕES: Gratuitas nos dias úteis entre 29/09/2011 e 06/10/2011, no portal do CIEE ( <http://www.ciee.org.br/> http://www.ciee.org.br/) e em seguida pessoalmente no CIEE (Caminho das Árvores).



Muito obrigada desde já,


Descrição: F571737C85EA4109B7C9D317D8A4DABE@adciee.cieesp.orgTalita Mota
Relacionamento com Instituições de Ensino
CIEE - Centro de Integração Empresa-Escola
( (71) 2108-8916 ? Fax: (71) 2108-8944
? talita_silva@cieesp.org.br
þ http://www.ciee.org.br/

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

REPASSANDO: E O BRASIL FALA EM QUALIDADE DE ENSINO PÚBLICO?

REPASSANDO: E O BRASIL FALA EM QUALIDADE DE ENSINO PÚBLICO?

NÃO PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO
NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES
AFINAL....
PARA QUE SER UM PAIS DE 1° MUNDO SE ESTA BOM ASSIM.
Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês.
"Homenageado na Academia Brasileira de Letras"... LETRADO ELE

Tiririca: R$ 36.000,00 por mês, fora os auxílios e mordomias;
"Membro da Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...COMO DIZ OS GAUCHOS
- TCHÊ....  QUE TAL?
TRADUZINDO, O SALÁRIO DO PALHAÇO AI, PAGA SÓ 30 PROFESSORES, E PARA AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE, CONTRATA O TIRIRICA PARA DAR AULA PARA SEU FILHO.

Um funcionário da Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um ACT ou um professor iniciante, levando em consideração para trabalhar na empresa você precisa ter o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado?

Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00...
Moral da História:
Os professores ganham pouco, porque só servem para nos ensinar coisas inúteis como:
ler, escrever e pensar.
Sugestão:
Mudar a grade curricular das escolas, que passaria a ter as seguintes matérias:
- Educação Física: Futebol
- Música: Sertaneja, Pagode, Axé
- História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira
                 Biografia dos Heróis do Big Brother
             Evolução do Pensamento das "Celebridades"
- História da Arte: De Carla Perez a Faustão
- Matemática: Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha
Cálculo Percentual de Comissões e Propinas
- Português e Literatura:
??????????????????????? Para quê??????????? ???????????
- Biologia, Física e Química:
 Excluídas por excesso de complexidade

Está bom ou quer MAIS!!!!!!!!!!!!!
ESSE É O NOSSO BRASIL!!!!!! 
PASSEM ESTA MENSAGEM A TODOOOOOOOOOOOSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS


Olha o absurdo no Rio de Janeiro (que não é diferente no resto do Brasil)
BOPE R$ 2.260,00........................ para Arriscar a vida;
Bombeiro R$ 960,00......................para Salvar vidas;
Professor R$ 728,00......................para Preparar para a vida;
Médico R$ 1.260,00........................para Manter a vida;
E o Deputado Federal?
Ganha R$ 26.700,00 para FERRAR a vida de todo mundo!
(Envie, e faça parte desta campanha conscientizadora)

Esclarecim​entos sobre a paralisaça​o da UFRB

Desde o dia 01 de setembro, foi deflagrada, em assembleia, uma paralisação de atividades dos estudantes da UFRB. Estudantes de todos os campi, mobilizados por diversos problemas que nos afetam e impedem um ensino e formação de qualidade, compreenderam que o melhor a fazer era uma greve seguida de ocupação dos Centros. Já estamos avançando para o 23° dia de ocupação e a esta altura, boatos, especulações e, principalmente, mentiras surgem de todos os lados com um só objetivo: desestruturar o movimento através de falsas acusações.
Embora muito tenha se falado sobre uma “paralisação prematura”, a verdade é que esta discussão já tem cerca de dois anos acontecendo nos encontros do CEB’s – Conselhos de Entidades de Base - que reúne os diretórios acadêmicos de todos os centros.
Estamos sem água nos Centros, mesmo o Reitor tendo afirmado na última mesa de negociação que iria religar a água e a internet nos campi, enfrentamos péssimas condições alimentares e somos acusados constantemente de cometer atos que em nada correspondem com a luta que o movimento vem tentando estabelecer em prol de uma Universidade de qualidade, como é o direito de todos nós.
Particularmente, fui acusado de diversos atos que não cometi, e que não vem ao caso entrar em detalhes para que especulações maiores não sejam geradas, o que posso afirmar agora é: Assim como a maioria dos estudantes, não estou satisfeito com a situação que estamos vivendo, não decidimos pela paralisação por estarmos felizes com as condições que vínhamos enfrentando dentro das salas de aula, pelo contrário, a situação a muito ficou insustentável e  é por isso que eu, e todos os outros que aderiram a luta, estamos abrindo mão do conforto e segurança de nossos lares para abraçar esta luta.
Mais do que muitos que insinuam uma necessidade imediata de assistir aula, eu, pela minha trajetória pessoal de lutas e sobrevivência, compreendo a importância e a diferença que as aulas fazem em nossa vida acadêmica, mas nesse momento, tratar a universidade como um espaço apenas de aulas, sem reivindicações e luta estudantil, seria um completo despropósito. Apesar disso, respeito as manifestações que são contrárias, e entendo que, assim como temos o direito de ser a favor da paralisação, outros tem de ser contra.
Quero deixar claro, que as mentiras que surgem em meu nome e em nome de todos os colegas que fazem parte do movimento não vão parar nossa luta. Pelo contrário, não estamos preocupados com especulações, os fatos gritam em nossos ouvidos e pedem soluções imediatas. Lembro ainda que, o movimento é diverso e em algum momento fica impossível controlar atitudes individuais que podem parecer ir de encontro ao objetivo principal da paralisação, mas temos feito todo o possível para manter a situação em um nível controlável.
No entanto, fui obrigado a presenciar uma cena lamentável na noite de ontem, quando um estudante, contrário ao movimento, disparou um tiro dentro do campus de Cruz das Almas. Felizmente, ninguém se machucou. Um Boletim de Ocorrência foi feito e esperamos que as medidas necessárias sejam tomadas para que atitudes como estas não voltem a ocorrer.
No mais, certifico a todos que a minha luta, a nossa luta, não visa prejudicar, ferir ou desrespeitar qualquer estudante. Essa não é nossa meta e nossas ações caminham no lado oposto. Lutamos por respeito, lutamos para que os nossos direitos, e também de todos aqueles que se opõem tentando nos prejudicar com inverdades, sejam assegurados.
Estou a disposição de todos que desejarem tirar dúvidas sobre a paralisação, sobre o que vem sendo discutido nas mesas de negociação e nos Centros. Asseguro ainda que, o nosso interesse é unicamente ter nossas reivindicações atendidas para voltar a normalidade de nossas aulas o mais rápido possível.

Grato.
--
Valdir Alves.
Graduando em Ciências Sociais;
Educador de Ensino em Bases Africanas no Grupo de Ação para Promoção Educacional Científico-Cultural (Gapecc);
Bolsista da CNPq com o Projeto Frente de Libertação em Moçambique (Frelimo).

domingo, 25 de setembro de 2011

TESE DE MESTRADO

Colegas

Essa semana fui a defesa da tese de mestrado da assistente social  Alessivânia Mota e sai de lá com o sentimento de gratidão. Em primeiro lugar por ela ter tido coragem de trazer à luz da discussão cientifica o calcanhar de Aquiles dos profissionais de serviço social: a indefinição do objeto do fazer profissional: o que fazem mesmo os assistentes sociais? Em segundo, por questionar o chamado projeto ético político profissional que, segundo o CFESS, “se baseia na defesa intransigente de direitos humanos e a luta por uma sociedade justa e igualitária”. Em terceiro, por focar em algo tão negligenciado na prática profissional do assistente social: a subjetividade, em especial como fica o mundo subjetivo dos assistentes sociais diante de  tal  complexidade e, por último, e para mim tão importante, o lugar que em sua pesquisa ocupou o serviço social clínico.
Destaco aqui um ponto da sua pesquisa que serve para nossa reflexão: o chamado projeto ético político é tão distante da realidade da prática dos assistentes sociais que estão na clínica (terapia de família, psicoterapia, etc.,)  quanto daqueles que atuam em hospitais, escolas e demais instituições. Então ele serve para quem? Está a serviço de que?
Outro ponto é a incongruência tão nossa velha conhecida: somos profissionais autônomos, mas em esmagadora maioria atrelado a um emprego e a um patrão. Somos autônomos para quem?
Trago ainda um aspecto levantado por ela que afirma ser o serviço social uma profissão nova e ainda em processo de profissionalização. Fiquei me perguntando se esse processo é um fenômeno tipicamente brasileiro e divaguei pensando que o que está em processo pode tomar diferentes e inusitados rumos, mas também pode se agarrar ao pretensiosamente pronto e acabado como forma de se justificar e sobreviver.

Destaco que nas entrevistas realizadas por ela com assistentes sociais que atuam na clínica, com profissionais ligados ao CRESS e com assistentes sociais que atuam em instituições se evidenciou a consistência teórica dos clínicos em relação aos demais, o que isso quer dizer?

O que sei é que a “defesa intransigente de direitos humanos e a luta por uma sociedade justa e igualitária” não é aplicada com a própria categoria profissional. Os que fizeram especialização na clínica são rechaçados e cerceados, a pluralidade e as inúmeras possibilidades de atuação são vistas como de menos valor. Isso me faz lembrar um texto que escrevi há algum tempo falando da repetição das palavras luta e defesa no discurso do assistente social. Me parece que, para nós, o inimigo sempre está fora, são os outros e de tanto olhar para os de  fora deixamos de nos ver e nos enxergar e vamos assim caminhando meio que sem rumo.

Tomei a liberdade de copiar Alessivânia nesse e-mail. Quero que ela saiba da minha gratidão, quero publicamente prestigiá-la e dizer que eu a admiro. A admiro por pensar por si mesma, por ousar ir além, por questionar, por se expor e pela contribuição que seus questionamentos trazem a nossa categoria profissional.
Copiei nesse e-mail também o professor Marcos Vinicius, orientador da tese. Embora psicólogo, desde as primeiras discussões no CRESS BA, quando ainda se cogitava  o cerceamento a prática clínica para os profissionais de serviço social, ele esteve presente levantando questões importantes junto ao Conselho. Ontem, durante a apresentação, tive a oportunidade de ver a forma séria, ética e respeitosa com que tratou nossos entraves da práxis e a valorização que fez da presença dos assistentes sociais no mestrado da  faculdade de psicologia da Universidade Federal da Bahia.
Aproveito para sugerir a vocês que convidem Alessivânia para apresentar a dissertação dela. Creio que nos encontros, congressos e discussões sobre o serviço social ela terá muito a contribuir trazendo ares novos e bem fundamentados para questões que nos acompanham há tanto tempo e, com certeza, possibilitarão repensar.
Um abraço a todos,
Isabel

recebido pelo email :railmacarvalho@yahoo.com.br

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

AUDIÊNCIA PÚBLICA EM FEIRA DE SANTANA

A autogestão da sociedade prepara-se na autogestão das lutas

 
Artigo do escrito português João Bernardo sobre a importância da autogestão no processo de lutas pela construção de uma nova sociedade.

Contrariamente ao que afirma a esmagadora maioria dos políticos e dos estudiosos da política, uma das principais características da sociedade capitalista é o fato de o Estado não se limitar às instituições que formalmente o compõem: governo, parlamento, policia e tribunais. No capitalismo o Estado, muito mais do que um conjunto de instituições, é o conjunto de princípios organizacionais que deve presidir a estrutura interna de todas as instituições, mesmo as que não lhe estejam diretamente ligadas. O Estado capitalista não é formado por algumas peças do jogo, mas sobretudo pelas regras do jogo. As escolas e as associações de bairro, para invocar dois tipos de instituição que interessam de perto ao Piá, inserem-se na ordem estatal sempre que estabelecem hierarquias internas entre os diretores que mandam e os empregados que obedecem, e sempre que perpetuam a mesma camada de dirigentes. Qualquer instituição que reproduza internamente este sistema não só se submete ao Estado capitalista como se integra nele.

Isto se sucede até com instituições que se apresentam formalmente como se fossem autônomas. O critério fundamental que devemos seguir para avaliar a autonomia é a forma de organização interna. Fala-se hoje muito de economia solidária, de empresas autogeridas, de projetos coletivos, de movimentos sociais, etc., mas será que ocorre nestes casos uma efetiva remodelação das relações sociais de trabalho ou será que continua a existir uma minoria de gestores que decide, e portanto explora, e uma maioria de trabalhadores que executa, e portanto é explorada? A remodelação das relações de trabalho implica a conversão das relações verticais de hierarquia em relações horizontais de solidariedade e de coletivismo, especialmente o direito de todos darem a sua opinião, a rotatividade nas funções e nas tarefas e a possibilidade de revogar em qualquer momento os mandatos dos representantes e das pessoas eleitas para cargos de coordenação.

Em qualquer luta importa mais a forma de organização dos participantes do que o conteúdo ideológico inicial. A tomada de consciência faz-se através da possibilidade que cada pessoas tiver de colaborar na condução prática da luta, sem se limitar a ouvir doutrinas ensinadas por outros. A aprendizagem ideológica só é criativa quando ajuda a conceitualizar experiências já adquiridas ou em vias de aquisição; e quanto mais profundamente vividas forem essas experiências tanto mais longe se pode levar a aprendizagem ideológica. É a luta o fundamento e o principal motor desta pedagogia, e a autonomia ou se aprende a partir de uma base prática ou não se aprende. Estes são critérios totalmente opostos aos do Estado capitalista.

Nas atuais circunstâncias, em que o capitalismo conseguiu desorganizar profundamente a classe trabalhadora, fragmentando os assalariados nas empresas e esforçando-se a todo custo por dispersar os velhos bairros populares, as lutas autonomistas parecem condenadas ao isolamento. É certo que esse isolamento pode ser combatido através da troca de experiências e do estabelecimento de redes de contatos mais ou menos duradouras, mas apesar disto o isolamento não deixa de ser grande. O notável marxista brasileiro Mario Pedrosa exclamou em A Opção Imperialista, uma obra publicada em 1966:

“Onde a liberdade individual é subjugada? No setor mais importante da vida moderna, no local de trabalho, na oficina, na fábrica, na empresa. Como é possível reinar ai a autocracia e a liberdade em outras partes?”

É este o cerne da questão. Não se podem implantar ilhas de autonomia total no meio de uma sociedade onde impera o autoritarismo, ou seja, onde a exploração se conjuga com a opressão.

Assim, na fase atual o importante é desencadear o começo de uma tendência. O máximo a que podemos aspirar para já é o desenvolvimento de lutas que tendam à autonomia, em que a participação de todos tenda a ser cada vez maior, em que a rotatividade nas funções tenda a ser crescente, em que o leque das remunerações – se for o caso para existirem – tenda a reduzir-se. Este “tenda a” não se consegue sem luta. Trata-se de uma luta dentro da luta, e só o processo permanente de luta interna pode garantir que as experiências de libertação não se convertam, como até agora tem sucedido, em novas experiências de opressão.

Enquanto as empresas não forem geridas pelos trabalhadores e não por patrões (de direita) nem por tecnocratas (de esquerda), enquanto a sociedade não for administrada pelos trabalhadores e não por políticos profissionais (de direita ou de esquerda), o capitalismo continuará a existir e, no máximo, mudará de forma, sem alterar o fato básico da exploração. Mas gerir as empresas e a sociedade é algo que se aprende de uma única maneira: gerindo as próprias lutas. Só assim os trabalhadores podem começar a emancipar-se de todo o tipo de especialistas e de burocratas. E com este objetivo não há experiências simples demais. Por mais modesta que seja uma experiência, os participantes vão se habituando a dirigir a sua atividade e vão aprendendo na prática aquilo que opõe essa solidariedade e esse coletivismo ao Estado capitalista. É esta a única maneira sólida como os trabalhadores podem, no plano prático, reforçar progressivamente a sua capacidade de organizar as empresas e a sociedade e, no plano ideológico, forjar uma consciência de classe.

Será esse um processo demasiado lento? Na história os processos não se definem nem por serem longos nem por serem breves mas por cobrirem um prazo necessário ou um prazo insuficiente, e o fator que aqui determina tudo é que sem a autogestão das lutas a autogestão da sociedade jamais será possível. Todavia, não se trata de projetar uma utopia num futuro longínquo. Pelo contrário, trata-se de afirmar uma presença imediata, porque qualquer experiência de autogestão constitui, por si só, uma ruptura com as regras do jogo do Estado capitalista. Ao mesmo tempo que é a condição para generalizar a autogestão, o fato de gerir a própria luta é a demonstração da viabilidade prática das relações sociais anticapitalistas, igualitárias e coletivistas.

--

CARCARA - Coletivo Alternativo Revolucionário Classista e Apartidário de Resistência Autônoma.

CURSO PARA DISSEMINADORES EXTERNOS DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS



Nos ultimos dias 21 a 23 de setembro de 2011 ocorreu em parceria com o INSS  de Feira de Santana o curso sobre educação previdenciária aos participantes do NESSE FEIRA e aos funcionários da UNIVERSIDADE.

O Programa de Educação Previdenciária (PEP) é desenvolvido pelo INSS com a finalidade de ampliar a cobertura previdenciária por meio da inclusão e permanência dos trabalhadores brasileiros nos regimes de previdência.

Além de desenvolver ações de informação e conscientização sobre direitos e deveres previdenciários, o Programa vai ao encontro da sociedade e a prepara para usufruir, com tranqüilidade e segurança, de tudo aquilo que a previdência pública, enquanto sistema de proteção social, pode oferecer.

Seminário de Educação Inclusiva: DESVELANDO UMA SOCIEDADE DEFICIENTE

Convidamos a todos e todas para participar do Seminário de Educação Inclusiva:
DESVELANDO UMA SOCIEDADE DEFICIENTE que ocorrerá no dias 26 de setembro de 2011
das 14 às 21:30h, no Auditório Jurandir Oliveira do Departamento de Educação/ DEDC-I da UNEB. 
O evento é gratuito, dará direito a certificado

domingo, 18 de setembro de 2011

CURSOS DA FUG-EAD

FUG/EAD – FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARAES – QUE TEM NA BAHIA COMO PRESIDENTE COLBERT MARTINS, INFORMA QUE AS INSCRIÇÕES PARA OS CURSOS:
·      GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS – CARGA HORÁRIA 83 HORAS  INICIOS DAS AULAS – 21/09/11 – ÀS 19HS

·      FORMAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIA – CARGA HORÁRIA – 60 HORAS
INICIOS DAS AULAS – 23/09/11 – ÀS 19HS

ESTÃO ABERTAS
LOCAL DO CURSO:  RUA VISCONDE DO RIO BRANCO, 475 – 1º ANDAR 
MAIORES INFORMAÇÕES PELO FONE (75) 3491-1351 -9214-1972

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

ENCONTRO DE PESQUISA DA FAN

Estão abertas as inscrições para o VII Encontro de Pesquisa da Faculdade Nobre, compartilhando saberes. O evento será realizado nos dias 9 e 10 de novembro na própria Instituição.
As inscrições para trabalhos serão realizadas de 08 de setembro a 14 de outubro e as inscrições para ouvintes de 08 de setembro a 28 de outubro. O Valor da inscrição é de R$ 20,00 e podem ser feitas apenas no Núcleo de Atendimento ao Cliente (NAC), de segunda a sexta de 08h as 20h30.
Informações através do Telefone: (75) 2102-9133.
REGULAMENTO DO VII ENCONTRO DE PESQUISA FAN
“COMPARTILHANDO SABERES”
NORMAS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS
Os trabalhos deverão ser inscritos em forma de resumo, devendo atender aos seguintes critérios:
  • Cada autor poderá inscrever mais de um trabalho, sendo no máximo 5 autores por pesquisa, exceto orientador.
  • Todos os autores, inclusive orientador, deverão estar inscritos no Encontro Científico.
  • O resumo deverá ser entregue impresso em duas vias e em CD, junto com a cópia do comprovante de inscrição de todos os participantes do trabalho e com a carta do orientador devidamente assinada pelo mesmo, na secretaria da Coordenação dos Cursos. Colocar em envelope lacrado.
  • O resumo deverá atender a seguinte formatação: Título em caixa alta, centralizado, negrito, fonte 14. Autores: justificado à direita, apresentando nome(s) e sobrenome(s), devendo estar grifado o nome do relator. Texto contendo no máximo 500 palavras, em único parágrafo, com margem superior e esquerda de 3 cm e inferior e direita de 2cm. Papel A4, letra Times New Roman, tamanho 12, em português, espaço 1,5. O resumo: em português, sem figuras, do tipo informativo, deverá sintetizar: introdução, objetivos, metodologia, resultados e considerações finais/ conclusões. Ao final do resumo destacar, no máximo, 5 palavras-chave. A nota de rodapé deverá incluir categoria profissional, grau acadêmico, instituição de origem, endereço eletrônico e residencial do relator. Recomenda-se revisão lingüística criteriosa.
OBS.: Os resumos que não obedecerem a essa formatação serão automaticamente desclassificados.
  • Os resumos enviados por discentes deverão conter o nome e o aceite do professor orientador. Ressalta-se que a carta de aceite encontra-se na Secretaria da Coordenação de Cursos.
  • Os trabalhos serão apresentados em forma de pôster dialogado ou apresentação oral. A forma de apresentação será definida pela Comissão Científica.
  • A dimensão recomendada para confecção do pôster é de 1,30cm de altura e 0,90cm de largura. Deverão conter obrigatoriamente: título, autoria, instituição, introdução, objetivos, metodologia, resultados, considerações finais ou conclusão e referências.
  • Todos os participantes do encontro receberão certificado. 

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Forúm sobre drogadição‏

Queridos!!

Haverá um forum sobre drogadição que achei muito interessante, será realizado pela CUFA e pelo Centro de Cultura Amelio Amorim co entrega de certificado e o melhor: É DE GRAÇA!!!!!!
Quem se interessar poderá acessar o site abaixo que lá estará a ficha de inscrição ou entrar no meu facebock e procurar nos meus amigos, Mario Neto, ele dará as instruções.


Vale a pena!
BJossss

domingo, 11 de setembro de 2011

Estágio de Vivência no SUS

Estágio de Vivência no SUS


Estratégia de Reorientação da Formação em Saúde

Inscrições on-line: 19 a 25 de setembro de 2011.

Vagas: 350

Público-alvo: estudantes da área da saúde

Maiores informações/inscrições: www2.saude.ba.gov.br/eesp

Data de realização do Estágio de vivência no SUS: 14 a 23 de dezembro de 2011.






Os estudantes selecionados para a 4ª edição do programa serão
distribuídos em municípios do interior do Estado onde acompanhados
pelos Mediadores de Aprendizagem realizarão observações frente à
realidade do SUS. (Unidades Básicas de Saúde, CAPS, Hospitais,
Conselhos de saúde, Central de regulação entre outros) e participarão
de reuniões e oficinas com gestores, profissionais, usuários e
movimentos sociais para tematizar coletivamente as questões
vivenciadas.



Todas as informações sobre as atividades acadêmicas realizadas pelos
estudantes precisarão ser comprovadas no momento da seleção. Como um
dos critérios de seleção será necessária disponibilidade para
participar integralmente das atividades nas datas previstas.



A Secretaria de Saúde do Estado se responsabilizará pela hospedagem,
transporte e alimentação dos estudantes referente ao período das
vivências.




Importante: Estejam atentos(as) ao site, que estará sendo atualizado
durante esta semana.




Nota: O texto aqui publicado é um resumo do material de divulgação que
estará sendo distribuído nas faculdades e universidades.

Participem e boa sorte à todos(as)!




Alessandra Silva.
Graduanda em Serviço Social
Faculdade Dom Pedro II
7º semestre
(71) 8633-6188


" Se as coisas são feitas para serem usadas e as pessoas
para serem amadas , por que amamos as coisas e usamos as
pessoas ? ? ? . " Alê!!!!!!!






--
Ivanildo.Sancho
Assistente Social - UCSAL
ivanildo.sancho@hotmail.com
Secretário Geral do GTSSEDU
gtssedusecretariageral@gmail.com
gtssedu-ufrb.blogspot.com
71- 8865-2787

Processo seletivo para ingresso em Estágios Não-Obrigatórios na SESAB - HGCA

A Escola Estadual de Saúde Pública (EESP) informa a abertura de processo seletivo para estágios não-obrigatórios na SESAB para os seguintes cursos:
Saúde Coletiva/Secretariado Executivo/Serviço Social/Sistemas da Informação/Ciência da Computação/Letras Vernáculas/Farmácia/Ciências / B i o l ó g i c a s / B i o m e d i c i n a / N u t r i ç ã o / M e d i c i n a V e t e r i n á r i a / F a r m á c i a /Bioquímica/Enfermagem/Pedagogia/Administração Hospitalar/ Administração Geral /Economia/ Psicologia/ Direito/ Comunicação Social/ Comunicação com jornalismo / Estatística/ Engenharia Elétrica/ Engenharia Clínica/ Ciências Contábeis/ Arquitetura/ Comunicação com propaganda, publicidade e marketing/ Fisioterapia/ Medicina.
Para o HGVC os cursos são: Administração, Comunicação Social, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina, Pedagogia, Psicologia, Serviço Social.
Período de inscrições: 12 a 18 de setembro de 2011 (Inscrições on - line)
Local: http://www2.saude.ba.gov.br/eesp/
Maiores informações: Edital a ser publicado a partir de 12/09/2011 no referido site

terça-feira, 6 de setembro de 2011

INCRÍVEL TEXTO DE JORGE PORTUGAL

 



REPASSANDO...Se escola fosse estádio e educação fosse Copa. Por Jorge PortugalPassei, nesses últimos dias, meu olhar pelo noticiário nacional e não dá outra: copa do mundo, construção de estádios, ampliação de aeroportos, modernização dos meios de transportes, um frenesi em torno do tema que domina mentes e corações de dez entre dez brasileiros.
Há semanas, o todo-poderoso do futebol mundial ousou desconfiar de nossa capacidade de entregar o “circo da copa” em tempo hábil para a realização do evento, e deve ter recebido pancada de todos os lados pois, imediatamente, retratou-se e até elogiou publicamente o ritmo das obras.
Fiquei pensando: já imaginaram se um terço desse vigor cívico-esportivo fosse canalizado para melhorar nosso ensino público? É… pois se todo mundo acha que reside aí nossa falha fundamental, nosso pecado social de fundo, que compromete todo o futuro e a própria sustentabilidade de nossa condição de BRIC, por que não um esforço nacional pela educação pública de qualidade igual ao que despendemos para preparar a Copa do Mundo?
E olhe que nem precisaria ser tanto! Lembrei-me, incontinenti, que o educador Cristovam Buarque, ex-ministro da Educação e hoje senador da República, encaminhou ao Senado dois projetos com o condão de fazer as coisas nessa área ganharem velocidade de lebre: um deles prevê simplesmente a federalização do ensino público, ou seja, nosso ensino básico passaria a ser responsabilidade da União, com professores, coordenadores e corpo administrativo tendo seus planos de carreira e recebendo salários compatíveis com os de funcionários do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal. Que tal? Não é valorizar essa classe estratégica ao nosso crescimento o desejo de todos que amamos o Brasil? O projeto está lá… parado, quieto, na gaveta de algum relator.
O outro projeto, do mesmo Cristovam, é uma verdadeira “bomba do bem”. Leiam com atenção: ele, o projeto, prevê que “daqui a sete anos, todos os detentores de cargo público, do vereador ao presidente da República serão obrigados a matricular seus filhos na rede pública de ensino”. E então? Já imaginaram o esforço que deputados (estaduais e federais), senadores e governadores não fariam para melhorar nossas escolas, sabendo que seus filhos, netos, iriam estudar nelas daqui a sete anos? Pois bem, esse projeto está adormecido na gaveta do senador Antônio Carlos Valladares, de Sergipe, seu relator. E não anda. E ninguém sabe dele.
Desafio ao leitor: você é capaz de, daí do seu conforto, concordando com os projetos, pegar o seu computador e passar um e-mail para o senador Valadares
(antoniocarlosvaladares@senador.gov.br) pedindo que ele desengavete essa “bomba do bem”? É um ato cívico simples. Pela educação. Porque pela Copa já estamos fazendo muito mais.
Jorge Portugal é educador, poeta e apresentador de TV. Idealizou e apresenta o programa “Tô Sabendo”, da TV Brasil.
***************************
Abaixo segue os termos do meu e-mail.
Para facilitar e agilizar, pode copiá-lo, se for o caso...
Prezado Senador,
Assunto: Projeto "Bomba do Bem"
Solicitamos que seja desengavetado o projeto denominado pelos educadores deste País como “bomba do bem”.
Estamos ávidos por uma educação de qualidade, onde o ensino público seja um exemplo para todos.

Vamos, Senador, caminhar juntos para a melhoria do nível de nossas escolas públicas? Dê, por favor, o primeiro passo, desengavete o projeto do Senador Cristovam Buarque. Escola pública de qualidade já, para todos os brasileiros, inclusive para os seus familiares e de todos os políticos deste País.
("
o projeto, prevê que daqui a sete anos, todos os detentores de cargo público, do vereador ao presidente da República serão obrigados a matricular seus filhos na rede pública de ensino”).

Cordialmente,

........................................................................

NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES...AFINAL....PARA QUE SER UM PAIS DE 1° MUNDO SE ESTA BOM ASSIM?

QUE HORROR!!!!!!!!!!!!!

NÃO PRECISAMOS DE EDUCAÇÃO
NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES
AFINAL....
PARA QUE SER UM PAIS DE 1° MUNDO SE ESTA BOM ASSIM?
Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês.
"Homenageado na Academia Brasileira de Letras"...
LETRADO ELE
Tiririca: R$ 26.000,00 por mês, fora os auxílios e mordomias;
"Membro da Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...
COMO DIZ OS GAUCHOS... BAHHHHHHHHH TCHÊ...  MAS QUE TAL?
TRADUZINDO, O SALÁRIO DO PALHAÇO AI, PAGA SÓ 30 PROFESSORES, E PARA AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE, CONTRATA O TIRIRICA PARA DAR AULA PARA SEU FILHO.
Um funcionário da Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um ACT ou um professor iniciante, levando em consideração para trabalhar na empresa você precisa ter o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado?

Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00...
Moral da História:
Os professores ganham pouco, porque só servem para nos ensinar coisas inúteis como: ler, escrever e pensar.
Sugestão:
Mudar a grade curricular das escolas, que passaria a ter as seguintes matérias:
- Educação Física: Futebol
- Música: Sertaneja, Pagode, Axé
- História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira
                 Biografia dos Heróis do Big Brother
             Evolução do Pensamento das "Celebridades"
- História da Arte: De Carla Perez a Faustão
- Matemática: Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha
                 Cálculo Percentual de Comissões e Propinas
- Português e Literatura:
??????????????????????? Para quê??????????? ???????????
- Biologia, Física e Química:
             Excluídas por excesso de complexidade
Está bom ou quer MAIS!!!!!!!!!!!!!
ESSE É O NOSSO BRASIL!!!!!! 
SE VOCÊ TAMBÉM ESTÁ ASSUSTADO COM ISSO, REPASSE ESTA MENSAGEM PROTESTANDO.
__._,_.___

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

MP limita entrada de crianças em lan houses para combater evasão escolar

Medida é adotada em três municípios baianos.
Estabelecimentos devem regular a entrada de crianças e adolescentes

O Ministério Público da Bahia fixou normas para a utilização de lan houses por crianças e adolescentes nos municípios de Barra da Estiva, Ibicoara e Mucugê, no centro sul baiano. De acordo com o relator, o promotor Paulo César de Azevedo, a medida foi tomada após uma denúncia do Conselho Tutelar sobre o aumento nos índices de evasão escolar. Segundo o Conselho, as crianças estariam deixando de frequentar a escola para passar a maior parte do tempo em casas de jogos e em estabelecimentos comerciais para acesso à internet. De acordo com o MP, a medida está baseada no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). As recomendações valem desde o último dia 26 de agosto.
A norma do MP nos três municípios só permite a entrada nos estabelecimentos de jovens com até 18 anos de idade, entre 7h e 19h, sempre com a autorização escrita dos pais ou responsáveis. Para os menores de 10 anos, a entrada só deve ser aceita com a presença dos responsáveis. Além disso, o órgão está fiscalizando o uso obrigatório do alvará especial de funcionamento, previsto em lei, para os estabelecimentos que recebem crianças e adolescentes.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2011/09/mp-limita-entrada-de-criancas-em-lan-houses-para-combater-evasao-escolar.html

Sonho de cursar medicina faz filha de juiz ignorar tradição da família

Jovem diz que pai aconselhou que ela fizesse o que mais gosta.
Psicopedagoga diz que a decisão deve ser sempre do vestibulando.

Com um pai juiz, dois tios e um irmão advogados, além da mãe que está cursando o último semestre de direito, a estudante Alita de Carvalho, de 16 anos, não hesitou na hora de escolher a profissão. Em vez de seguir a trajetória da família, decidiu buscar outro rumo. “Pelo o que eu vejo, eu não gosto muito da área de direito. Sempre me vi fazendo medicina”, diz a jovem.
(Série Vestibular: hora da decisão. Entre o fim deste mês e o começo de setembro as principais universidades recebem inscrições. O G1 publica nesta semana uma série de reportagens sobre o dilema dos jovens e as dicas dos especialistas.)
A estudante do terceiro ano abdicou de muitas escolhas para se dedicar ao estudo e tentar uma das vagas mais concorridas na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Ela deixou toda família no interior do estado para morar sozinha em Salvador e ser uma das concorrentes para uma vaga do curso. “Passou em minha cabeça desistir por conta da concorrência, mas eu não tenho pressão dos meus pais para passar no vestibular”, diz a jovem, que tenta pela primeira vez uma vaga na UFBA.
Segundo Alita, a influência da família foi forte, mas principalmente respeitosa. “Meu pai não ficou chateado com a decisão. Ele acha que devo fazer o que eu mais gosto. E eu sempre me vi fazendo medicina. Desde pequena, quando ia aos consultórios, gostava daquele ambiente. Já minha mãe sempre quis que eu fizesse medicina. Para ela, se eu não for médica, devo ser advogada.”
O dia-a-dia é corrido. Alita vai para a escola pela manhã e às terças e quintas-feiras ela fica no colégio até as 19h. Em casa, ela estuda com um amigo que cursa o 1º ano de medicina e no fim de semana ela tem acompanhamento de um professor particular.
“Sempre que tenho dúvidas, chamo o professor.” Mesmo assim, ela não deixa de sair com as amigas. “Geralmente eu me divirto nos sábados, pela tarde. Esse é o único horário que tenho para sair. No sábado de manhã eu tenho prova e domingo tiro o dia inteiro para estudar”, explica.
Agulhas Negras
O vestibulando Carlos Cordeiro tenta pela segunda vez uma vaga para a Academia Militar das Agulhas Negras, no Rio de Janeiro. Filho de um coronel reservista, ele sonha com a carreira militar. “Na minha casa, o mundo militar sempre esteve presente. Na hora de escolher a profissão, pensei seriamente em seguir a carreira, já que essa é uma das mais seguras profissões que existe”, diz.
O jovem, que estudou da 5ª ao 3º ano no colégio militar de Salvador, explica que o desejo de seguir a carreira do pai despertou na escola. “O desejo de seguir a carreira começou na escola. Meus colegas achavam que eu era maluco, mas eu sempre gostei do regime militar”, explica.
“Tive a orientação da minha mãe, que sempre se preocupou com a saída da faculdade. Depois de cursar os cinco anos na academia militar, eu já saio com um emprego garantido e com um salário bom. Tenho um exemplo na família e minha irmã que se formou em direito está desempregada. Eu não quero isso para mim. Quero uma segurança”, explica o adolescente.
Adultos frustrados
A psicopedagoga Renata Adélia de Azevedo Paim diz que a escolha pela carreira é do jovem. “A escolha profissional é do jovem. A influência da família nem sempre é positiva, porque se o jovem não obtiver o mesmo êxito profissional que o pai, ele pode se tornar um adulto frustrado. Os pais devem orientar e conversar, mas a decisão final é sempre do vestibulando”, completa.

A psicopedagoga relata ainda que o sucesso profissional  é aliado às habilidades de cada indivíduo. "É importante deixar claro que ele poderá ter sucesso e êxito na vida financeira optando por uma profissão na qual ele de fato tenha habilidades.  Muitos jovens se preocupam sobre a forma de como a profissão é vista na sociedade. A orientação é que este jovem faça uma auto reflexão e se questione sobre qual papel ele quer cumprir na sociedade", conclui.

Sobre a rotina de estudos antes das provas, Renata diz que a diversão é importante para o vestibulando. “A gente vê que os jovens priorizam os estudos, embora exista uma orientação para o momento da distração, do convívio com os amigos. Esses jovens precisam ter foco, mas precisam curtir esse período da vida que é muito importante e não volta mais”, orienta.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2011/09/sonho-de-cursar-medicina-faz-filha-de-juiz-ignorar-tradicao-da-familia.html

Vândalos invadem escola e destroem equipamentos no interior da Bahia

Caso aconteceu no Colégio Estadual Misael Aguilar na cidade de Juazeiro.
Cerca de 500 alunos estão sem aulas nesta sexta-feira (2).


Vândalos invadiram o Colégio Estadual Misael Aguilar, na cidade de Juazeiro, norte da Bahia, e destruíram móveis e equipamentos eletrônicos na madrugada desta sexta-feira (2). A escola suspendeu as aulas e ainda não há previsão de retorno.
Eles quebraram carteiras e mesas das salas de aula, além de lâmpadas, cabos e monitores de televisão.
Os criminosos ainda tentaram invadir os laboratórios de informática, forçando as grades de uma das janelas. Para sair da escola, a polícia relata que eles empilharam cadeiras e mesas para pular a laje. O colégio possui cerca de 500 alunos e não conta com sistema de segurança.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2011/09/vandalos-invadem-escola-e-destroem-equipamentos-no-interior-da-bahia.html