segunda-feira, 30 de maio de 2011

Política de Comunicação ENESSO - Região III.


Política de Comunicação ENESSO - Região III.
Vamos construir juntos!

Companheir@s, 

Como sabemos, uma boa comunicação é fator preponderante na construção do nosso Movimento Estudantil dos Estudantes de Serviço Social (MESS). Nesse sentido, já estamos colocando em prática a nossa Política de Comunicação.

São objetivos da nossa Política de Comunicação:
Divulgação das atividades do MESS;
Divulgação de eventos relacionados à temática do Serviço Social;
Fomentar e facilitar o intercâmbio sócio-cultural;
Servir de instrumento de formação e informação nos âmbitos profissional e político.

Desse modo, a Política de Comunicação constitui-se em eficiente ferramenta para uma gestão democrática, transparente e participativa. Com ela, indubitavelmente, “Desataremos nós e apertaremos laços”. Essa é a idéia!

Principais meios de Comunicação da ENESSO-RIII:

Utilizaremos-nos desses meios para democratizar a gestão, bem como proceder a um melhor relacionamento entre os coordenadores regionais, representante discente da ABEPSS para com os  CAs/DAs, secretári@s e a base dos estudantes de Serviço Social da Bahia, Sergipe e Alagoas, estados que compõem a Região III da ENESSO.

Caríssim@s companheir@s, a participação de tod@s é de fundamental importância para que a nossa Política de Comunicação seja efetiva e eficiente. Portanto participe com sugestões, críticas, informações. Divulgue na sua escola e com colegas os nossos endereços eletrônicos. Assim construiremos juntos, uma ENESSO cada vez mais sólida e um MESS cada vez mais pujante.

Saudações,

Comissão de Comunicação da Gestão "Mobilizar para Lutar" 2011-2012

ENESSO é pra lutar!

sábado, 28 de maio de 2011

Histórico do CRESS-BA

O Conselho Regional de Serviço Social da 5ª Região - Bahia, Regulamentado pela Lei 8.662 de 07-06-1993, constitui uma entidade de personalidade jurídica de direito público, com poder delegado pela União, com jurisdição no estado da Bahia.
O CRESS é dotado de autonomia administrativa e financeira, estando ainda vinculado ao Conselho Federal de Serviço Social, e tem como objetivo básico, disciplinar, orientar, fiscalizar e defender o exercício da profissão de Assistente Social em seu âmbito de jurisdição de acordo com os princípios e normas gerais estabelecidos pelo Encontro Nacional CFESS/CRESS e nos termos que dispõem as Leis 8.662/93

Ao CRESS compete:
  • Orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão em área de sua jurisdição;
  • Zelar pelo livre exercício da profissão de assistente social;
  • Organizar e manter o registro profissional expedindo seu respectivo título;
  • Zelar pela observância do Código de Ética Profissional, funcionando como Tribunal Regional de Ética Profissional;
  • Impor as sanções previstas no Código de Ética Profissional;
  • Cumprir as Resoluções e Instruções do CFESS.

Qual a receita do CRESS e
como é aplicada?:
Esta se constitui exclusivamente das anuidades de pessoas físicas e pessoas jurídicas inscritas no CRESS e das taxas (inscrição, carteira e cédula de identidade profissional).
De cada anuidade paga pelo Assistente Social, 20% (vinte por cento) é destinado ao Conselho Federal de Serviço Social - CFESS.
São com estes recursos que a Diretoria administra o CRESS, onde a cada ano elaboramos uma previsão orçamentária que, após aprovação do Conselho Fiscal, é submetida à aprovação do Conselho Federal.
Mensalmente são encaminhados os Balancetes de receitas e despesas ao CFESS após a prévia aprovação do Conselho Fiscal. São estes recursos, oriundos de anuidades e taxas, que possibilitam a manutenção da entidade no que diz respeito ao pagamento de pessoal, encargos sociais, serviços técnicos de contabilidade, assessoria jurídica, de imprensa, material de consumo, material permanente, equipamentos, serviços de correio, telefone, energia e aluguel.
.
Quadro de Pessoal:
Coordenação Administrativa: Roberta Alves de Oliveira
Coordenação Técnica: AS-Ana Cristina de Lima Rodrigues
Agentes Fiscais: AS-Luana Viana de Oliveira; AS-Danielle Souza Nunes; Camila Marques Mendonça e Elaine Silva de Freitas Socorro
Advogado: Moisés Araújo Dantas
Financeiro: Vanderlino Conceição de Carvalho
Divida Ativa: Rosalia Legal Batista
Secretaria: Neide Ramos Pinto
Registro: Thiago Nunes de Araújo
Recepção: Sidinéia Rego da Hora
Serviços Gerais: Ronaldo Santos Falcão

REFERÊNCIAS:

sexta-feira, 27 de maio de 2011

CFESS Manifesta: Educação não é fast-food!

CFESS Manifesta: Educação não é fast-food!

Documento fornece mais subsídios para o debate que está no topo da pauta do Serviço Social

 
Aconteceu o previsto: desde que o Conjunto CFESS-CRESS, ABEPSS e ENESSO, com apoio do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES – SN), lançou, em 13 de maio, a campanha nacional "Educação não é fast-food: diga não para a graduação à distância em Serviço Social", o debate sobre os rumos do ensino superior no país esquentou.

E com pouco mais de dez dias no ar, a campanha já repercute por todo país: já são mais de 400 e-mails e mensagens recebidas pelo CFESS, de elogios a críticas, de um público heterogêneo: estudantes e professores/as (presenciais e EaD), assistentes sociais, profissionais de outras áreas, entre outros, de diversas regiões do país. Nas mídias sociais (Facebook, Twitter e Orkut), centenas de observações e comentários. No Youtube, mais de 2 mil visualizações no vídeo principal. E o hotsite educacaofastfood.com.br, até o momento,  recebeu quase 8 mil visitas.

Agora, com o debate no topo da pauta da categoria, o CFESS lança um manifesto sobre a campanha. O documento, de quatro páginas, reafirma o posicionamento das entidades representativas da categoria na defesa da educação superior pública presencial, gratuita, laica e de qualidade, voltada para atender às necessidades da população brasileira e enfrentar a precarização e mercantilização das políticas sociais, bem como as desigualdades no país. Além disso, responde às dúvidas e críticas que o CFESS vem recebendo pelo conteúdo provocativo da "Educação não é fast-food".

"A análise dos dados reunidos no documento 'Sobre a incompatibilidade entre graduação à distância e Serviço Social' demonstrou o descompromisso das Instituições de Ensino com a formação profissional e a falta de controle e acompanhamento sistemático da expansão e prestação de serviços dessas instituições por parte do Ministério da Educação (MEC)", denuncia trecho do CFESS Manifesta. Em outra parte, o informativo esclarece que a campanha não é excludente, nem preconceituosa, nem discriminatória. "Ao contrário, nossa defesa é da democratização do acesso, pela via da igualdade de condições, pela via do reconhecimento e materialização da educação como direito e não como mercadoria".

Além disso, faz críticas contundentes à política de educação superior do país, ao afirmar que "em detrimento do aumento de vagas em Instituições de Ensino públicas e presenciais, ou da criação de cursos de Serviço Social nas universidades públicas que ainda não o têm, ocorre a massificação via EaD ou a utilização do fundo público para financiar bolsas de estudos nas instituições privadas, através da ampliação do PROUNI".

Esta edição do CFESS Manifesta está recheada de novas informações, que dão mais subsídios e gás para um debate acalorado que a temática envolve. Portanto, deve ser lido do início ao fim. E lembre-se: educação não é fast-food. Diga não à graduação à distância em Serviço Social!
 
 
 

Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação

Rafael Werkema - JP/MG 11732
Assessor de Comunicação

comunicacao@cfess.org.br

terça-feira, 24 de maio de 2011

PLENÁRIA NA CIDADE DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS

Na cidade de São Gonçalo dos Campos ocorreu na Cãmera de Vereadores as nove horas da manhâ , uma Plenária cujo tema foi a Inclusão do Serviço Social nas Escolas , onde contamos incialmente com apoio de alguns vereadores para que realizar a discussão .
A plenária foi iniciada com abertura do Livro Ata pelo presidente da mesa , logo após a palavra foi passada para estudante do 8º semestre da FAN e representante do NESSE FEIRA  Fernanda Brito onde fez uma breve apresentação do Núcleo e seus trabalhos realizados de modo que explanou a importância da inclusão do Serviço Social nas Escolas , pedindo a discussão através de uma audiência na cidade .
Logo após a repórter Dadá Maravilha da rádio de São Gonçalo  fez uma rápida entrevista sobre a visita na cidade do grupo e mostrou o apoio a discussão que trouxemos.
A professora Marcela Nery e coordenadora do Grupo também teve voz na Plenária , fez uma ampla apresentação trazendo dados atuais sobre Educação na região e pediu apoio da mesa para realização de um Curso na cidade , juntamente reforçando o pedido da Audiência embreve .

Enfim foi finalizada quase meio dia pela mesa deixando claro que vão estudar toda a possibilidade da realização do Curso para a comunidade .

PLENÁRIA X AUDIÊNCIA PÙBLICA

CONHEÇA E DEFENDA SEUS DIREITOS

Visando esclarecer, informar e conscientizar da importância e participação dos participantes e simpatizantes da causa na luta em favor da Inclusão do Serviço Social nas Escolas , segue abaixo importantes informações e esclarecimentos.

O que é plenária?

 É a reunião realizada com a participação de todos os inscritos com direito a voz e voto – os conferencistas – pessoas ligadas diretamente ao grupo, política, comunidade ou vitimas de uma ação que leve a prejuízo, injustiça social, ou ainda, questões de interesse popular. Que, inscritos devidamente, são habilitados ao voto. É nesta reunião, após exposição dos fatos, denuncias, que serão apresentadas, caso aja reclamante e reclamado para serem aprovadas, rejeitadas/suprimidas ou modificadas cada uma das resoluções, propostas ou sugestões de projetos ou em grupo de resoluções. No caso da plenária do dia 24 de Maio na cidade de São Gonçalo do Campos, o objetivo é convocar uma Audiência Publica 

Quem convoca uma Plenária?

 As Lideranças políticas e administrativas atendendo a pedido de uma das partes prejudicadas ou interessada em soluções de questões de interesse publico ou de grupos que não tenham instituições que a represente ou estejam prevaricando (deixando de cumprir) com suas funções. No caso da plenária do dia 24 de Março na cidade de São Gonçalo , a convocação será feita em prol do coletivo para a implantação do projeto de LeI da Inclusão do Serviço Social nas Escolas .  A convocação é feita a sociedade em geral através de  ( correspondência, sites, e-mail ).

Como é o Regimento de uma Plenária?

As normas variam de acordo com os objetivos, no caso da plenária do dia 24 de maio em São Gonçalo , o objetivo é buscar a representatividade e a legalidade para convocação de uma Audiência Publica, que possa dar os encaminhamentos necessários as denuncias, reclamações e propostas referente a inclus~~ao do assistente social na área Educacional da cidade.
As regras e critérios que irão nortear os trabalhos desta plenária foram definidos dentro das recomendações mínimas necessárias para que os objetivos possam ser atingidos, para tanto é necessário que no mesmo constem os seguintes pontos:
No sumario de convocação publica deve constar: objetivo, temário, local, data, horário, metodologia, quem promove os objetivos da Plenária, quem terá direito a exposições e pronunciamentos.
As partes prejudicadas e interessadas devem estar presentes, com quórum mínimo , devidamente identificada qualificadas em abaixo assinado presencial. Após abertura dos trabalhos da Plenária, que deverá ser feita pela maior autoridade publica presente que passa a palavra para o primeiro pronunciamento para quem solicitou a PLENÁRIA ou represente da instituição requerente.
O requerente da Plenária fará as devidas explicações e orientações  sobre o objetivo e questões ligadas a convocação, terminada exposição e fala, os seguintes pronunciamentos serão dos representante das instituições (Presidentes de federações e Associações) envolvidas nas questões, que deverão estar devidamente inscritos, antes do inicio dos trabalhos. Após termino da fala dos representantes das Instituições a fala é aberta aos publico, que neste caso os maiores beneficiadores .

O que é  um Audiência Pública?

Reunião realizada por comissão técnica, a pedido de um vereador dela integrante ou por entidade interessada, com o objetivo de instruir matéria legislativa em tramitação, bem como tratar de assunto de interesse público relevante e relativo à área de atuação da Comissão ou proveniente da convocação aprovada em Plenária de debate, convocada especificamente para um fim de interesse público..
O requerimento para convocação de audiência pública deve ser encaminhado ao Presidente da Comissão ou presidente da Câmera .
No caso de Convocação de uma Audiência Pública, aprovada na PLENARIA DO DIA 24 DE MAIO. O objetivo é criar um  projeto via propostas apresentadas pelos interessados , conforme as  questões levantadas.
O principal objetivo na Audiência Pública e chamar atenção dos órgãos competentes Prefeitura, Estado, Judiciário e instituições ligadas  as denuncias e reclamações, para compor alternativas que possa resolver da melhor forma possível as questões levantadas.

BOA SORTE PARA NÓS!

segunda-feira, 23 de maio de 2011

II JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA BAHIA

II JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA BAHIA
EXTENSÃO COMO PRÁTICA DE DIÁLOGOS E EMANCIPAÇÃO HUMANA

Local: Campus da UFRB Cruz das Almas
Período: 08 e 09 de junho de 2011

CONTATOS POR EMAIL

jeub2011@ufrb.edu.br
jeub2011@gmail.com           

domingo, 22 de maio de 2011

Chamada para Publicação SER SOCIAL Nº 29

UnB/Universidade de Brasília
IHD/Instituto de Ciências Humanas
SER/Departamento de Serviço Social
PPGPS/Programa de Pós-Graduação em Política Social

Chamada para Publicação
Ser Social Número 29
Julho - Dezembro de 2011

Prezado/a Pesquisador/a,

Tendo em vista a publicação do v. 13. n. 29 de 2011 (julho a dezembro), da Revista SER Social do Programa de Pós-Graduação em Política Social (PPGPS) da UnB (Mestrado e Doutorado), cujo tema é “Política Social e Direito à Educação”, vimos solicitar sua valiosa colaboração na divulgação e envio de artigo(s) de sua autoria ou co-autoria.

A Revista SER Social possui Conselho Editorial interdisciplinar, de composição nacional e internacional, é classificada no Estrato B1 do Sistema Qualis Periódicos da Capes/MEC, está indexada no Latindex, Geodados e ROMEU se encontra em circulação há onze anos, sob o ISSN 1415-6946. A partir de 2009 passou a ser disponibilizada também em formato digital, com o ISSN 2178-8987, podendo ser acessada no website http://seer.bce.unb.br/index.php/SER_Social.

A temática central do Número 29 da SER Social visa suscitar análises sobre a relação entre a Política Social e o Direito à Educação, entendendo a educação como um direito social conforme indicado no artigo 6to. da Constituição Federal de 1988. O tema deve ser abordado criticamente, podendo as análises ser gerais ou particulares dos níveis, esferas e modalidades da educação formal, tendo em vista o conjunto de âmbitos e sujeitos envolvidos neste processo, bem como as temáticas transversais pertinentes.

A educação formal é compreendida como parte de uma complexa trama que, na tessitura da relação Estado/Sociedade, reúne elementos não apenas cognitivos ou propriamente pedagógicos, mas elementos econômicos (distribuição de bens simbólicos que operam posteriormente como chaves para a inserção no mercado de trabalho capitalista e para o consumo dos bens materiais), elementos culturais (reconhecimento dos bens simbólicos que merecem ser conservados, distribuídos e certificados), e elementos políticos (estabelecimento de mecanismos de exclusão total e de inclusão excludente, seleção “meritocrática” de lideranças). Assim, acreditamos que a garantia de tal direito significará necessariamente uma ação educativa que perpasse diferentes áreas do conhecimento científico.

Outro fator importante neste processo é a mobilização e manifestação dos profissionais do serviço  social que, em conjunto com psicólogos, lutam pela a aprovação do Projeto de Lei 060/2007. O projeto visa estabelecer a obrigatoriedade da inserção de assistentes sociais e psicólogos nas redes públicas de educação básica, objetivando a constituição de equipes multiprofissionais nas escolas. A aprovação do projeto implicará no surgimento de um campo amplo para atuação do Serviço Social, e trará a possibilidade de maior intervenção deste profissional em conjunto com outros profissionais numa nova política social de educação.

Todavia, além de trabalhos sobre a temática específica do v.13. n. 29, poderão ser enviados, em fluxo contínuo, artigos para publicação sobre temas livres, desde que pertinentes ou afins à política social.

Podem ser enviadas para publicação ainda resenhas críticas de livros relacionados ao campo temático da revista, publicado nos últimos dois anos, com, no máximo, 10.000 caracteres. Os autores devem encaminhar à Secretaria da Revista uma reprodução de alta definição da capa do livro resenhado.

As contribuições devem ser encaminhadas até o dia 30 de julho de 2011 e se pautarem pelas Normas para Publicação da Revista. Os arquivos com os trabalhos devem ser enviados por meio do portal eletrônico da Revista - http://seer.bce.unb.br/index.php/SER_Social, sendo necessário o cadastramento prévio como autor/a.

O Termo de Cessão de Direitos Autorais e a Declaração de Responsabilidade devem ser enviados, assinados, por fax ou correio postal. Informações detalhadas a respeito das Normas para Publicação, Termo de Cessão de Direitos Autorais e Declaração de Responsabilidade, podem ser encontradas em http://seer.bce.unb.br/index.php/SER_Social.

Arquivos de texto, imagens e ilustrações, devem ser gravados em CD/DVD e encaminhados por meio postal para o endereço: Departamento de Serviço Social UnB, ICC Norte – Mezanino - Campus Universitário Darcy Ribeiro, CEP 70919-970 – Brasília DF - Brasil. Telefones para contato: (61) 3307-2290, Fax (61) 3273-7536. E-mail: sersocial@unb.br. A editora responsável pela Revista – Profª. Dra. Rosa Helena Stein – pode ser contatada via correio eletrônico: stein@unb.br.

Atenciosamente,

Profª Dra. Rosa Helena Stein
Editora Responsável – SER Social.

sábado, 21 de maio de 2011

XXXIII ENESS- ENCONTRO NACIONAL ESTUDANTES DE SERVIÇO SOCIAL- UNESP/FRANCA

XXXIII ENESS- ENCONTRO NACIONAL ESTUDANTES DE SERVIÇO SOCIAL- UNESP/FRANCA
TEMA DO ENCONTRO: “SE NÃO PODE SE VESTIR COM NOSSO SONHO, NÃO FALE EM NOSSO NOME”

DE 18 A 23 DE JULHO EM FRANCA-SP
FACULDADE DE CIENCIAS HUMANAS E SOCIASIS UNESP- CAMPUS DE FRANCA
AV: EUFRASIA MONTEIRO PETRÁGLIA, Nº900  JARDIM DR. ANTONIO PETRAGLIA. FRANCA, SÃO PAULO, BRASIL.


CRONOGRAMA:
18 DE JULHO
MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Mesa de Abertura
10h00 as 11h00- Credenciamento
11h00 as 12h00- Abertura Regime Interno

12h00 as 13h30- Almoço

TARDE:
14h00 as 17h20- Eixo de Conjuntura
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 22h00- Deliberação de Conjuntura

19 DE JULHO
MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Eixo de Universidade
10h00 as 11h00- Eixo de Universidade
11h00 as 12h00-

12h00 as 13h30- Almoço
TARDE:
14h00 as 17h20- Eixo de ME
                                 GD de ME
17h20 as 18h00- Espaço Coletivo
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 21h00- Deliberação Universidade
21h00 as 22h00- Deliberação ME
                                                                               
20 DE JULHO

 MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Reunião Ampliada
10h00 as 11h00- Eixo de Cultura
11h00 as 12h00-

12h00 as 13h30- Almoço
TARDE:
14h00 as 17h20- Oficinas de Cultura
17h20 as 18h00- Espaço Coletivo
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 21h00- Eixo Opressões
21h00 as 22h00- Oficinas Opressões.

21 DE JULHO
MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Deliberação Cultura
10h00 as 11h00- Deliberação Opressões
11h00 as 12h00-
12h00 as 13h30- Almoço

TARDE:
14h00 as 17h20- Preparação Ato
                                 Ato ou Formação Política
17h20 as 18h00- Espaço Coletivo
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 22h00- Apresentação Cultural

22 DE JULHO
MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Eixo de Formação Profissional
10h00 as 11h00- GD Formação Profissional
11h00 as 12h00-
12h00 as 13h30- Almoço

TARDE:
14h00 as 17h20- Deliberação formação      Profissional
                                 Debates e Chapas
17h20 as 18h00-
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 21h00- Eleição
21h00 as 22h00- Cultura Final

23 DE JULHO
MANHÃ:
7h00 as 8h00- Café da manhã
9h00 as 10h00- Avaliação do Encontro
10h00 as 11h00-
11h00 as 12h00-
12h00 as 13h30- Almoço

TARDE:
14h00 as 17h20- Repasse aberto de gestão
17h20 as 18h00-
18h00 as 19h30- Jantar
20h00 as 21h00-
21h00 as 22h00-

e-mail para contato: ana_lea_@hotmail.com


EIXO CONJUNTURA (APROVADO)
Proposta Geral:
Metodologia: Leitura de texto em grupos de discussão/brigada;
Exposição da mesa
GD’s
Plenária de deliberações
Tema: O processo de organização atual dos trabalhadores frente a crise
estrutural do Capital.
Eixo 1: As experiências organizativas da classe trabalhadora na Europa e as Revoltas Populares contra os regimes ditatoriais.
Palestrante: Fórum Nacional de Monitores (Prioridade: Mauro)
Suplente: Luiz Gustavo Porfi (CSP – Conlutas)
Eixo 2: A esquerda no Brasil, a prática militante e sua criminalização: desafios e estratégias postos aos Movimentos Sociais.
Palestrantes: Gilmar Mauro

EIXO UNIVERSIDADE (APROVADO)
Proposta Geral:
Metodologia: Exposição e Grupo de Discussão
Plenária de deliberações
Tema: O que é Universidade?
Virtude
Projeto de Universidade Popular
Palestrante: Antonio Davi

EIXO MOVIMENTO ESTUDANTIL (APROVADO)
Proposta Geral:
Metodologia: Exposição e GD.
Tema: Tarefas e desafios do Movimento Estudantil de Serviço Social (MESS)
Eixo 1: A necessidade do trabalho de base: desafios para o MESS (Tiago Santos ou Josuel)
Eixo 2: Criminalização do Movimento Estudantil e o processo de cooptação do ME (Andriev – UFF - Preso Politico no ato “Fora Obama”)

EIXO DE CULTURA (Aprovado)
Proposta Geral:
Metodologia: Exposição, Oficinas
Tema: “Tem muita cultura pra cuspir na estrutura.”
Do discurso à pratica, o MESS rompendo coma cultura hegemônica: contracultura e mobilização, construção de mediações com horizonte da emancipação humana.
Palestrante: Hertz Dias (Quilombo Urbano – SLM) e Sérgio Lessa (ou Ivo Tonet)

OFICINAS
Oficina 1: Cultura de massa. Oficineiro:
Oficina 2: Mídia Alternativa. Oficineiro:
Oficina 3: Agitação e Propaganda. Oficineiro: Carlos (Educação Popular –MST)
Oficina 4: (Emancipação). Oficineiro: Quilombo Urbano
Oficina 5: Arte e Socialismo. Oficineiro: Cia de Teatro Dolores


EIXO DE OPRESSÕES (APROVADO)
Proposta Geral:
Metodologia: Exposição em mesa seguida de Oficinas simultâneas
Tema: 11º Principio do Código de Ética: “Exercício do Serviço Social sem ser discriminado/a,nem discriminar, por questões de inserção da classe social, gênero, etnia, religião, nacionalidade, orientação sexual, identidade de gênero, idade e condição física.”
Eixo 1: Opressões como uma questão de classe: papel das opressões na manutenção do capitalismo – a conformação do sistema de opressões enquanto parte constitutiva da sociabilidade do capital.
Palestrantes: Marcos Valdir
Eixo 2: A questão ética e sua dimensão política e profissional e sua articulação com o trabalho do Assistente Social.
Palestrantes: Profª. Lucia Barroco (2ª opção: Maria Elisa Braga).
2º espaço – Oficinas com os seguintes movimentos sociais que fazem recorte de classe. Fica sob responsabilidade das Oficinas a produção de material para agitação e propaganda.
1. LGBT: O negligenciamento do estado com os direitos da população
LGBT; qual a responsabilidade das esferas de decisão dos três poderes no incremento da onda de violência homofobica no Brasil.
Guilherme (militante do Movimento LGBT em SP-PSTU) agredido em SP.
2. Violência de gênero: Mov. Feminista (convidado: militante que tenha dados sistematizados sobre Violência de Gênero e articule com o marco jurídico dos 5 anos da lei Maria da Penha) (Homenagem a Heleieth Saffioti)
Pão e Rosas
3. Racial/Quilombola: O acesso ao direito a educação e a terra pela população negra no Brasil via política de ações afirmativas: quais os limites e possibilidades no país da democracia racial e que se nega a reconhecer o abismo nas condições materiais de vida de brancos e negros.
Profª. Maria Palmira (prioridade)
Quilombo Raça e Classe e (2ª possibilidade)
UNEAFRO (3ªpossibilidade)
4. Saúde Mental: a criminalização e marginalização dos dependentes químicos e a resposta insuficiente do Estado para a questão do crack.
Antimanicomial: Professora Maria Conceição Unicastelo. discente pos ABEPSS reg. sul II
5. Escravismo Contemporâneo (no campo e na cidade):
Resp. da CO procurar por movimentos sociais locais
6. Fascismo: o reascenso das idéias fascistas no cotidiano da sociedade moderna; expressões da crise do capital?
Resp. da CO procurar por movimentos sociais locais
7. Xenofobia:
Resp. da CO procurar por movimentos sociais locais


EIXO FORMAÇÃO PROFISSIONAL (APROVADO)
Proposta Geral:
Metodologia: Exposição e GD
Tema: O Serviço Social na luta contra a precarização do ensino superior: as expressões do aligeiramento do ensino superior, o crescimento desenfreado das UFA’s privadas e EAD e sua relação com a reconfiguração do perfil profissional do Assistente Social.
Palestrante: Mavi Pacheco (UFRJ) ou Larissa Dahmer (UFF)
Eixo: Campanha do Plano de Lutas “Educação não é Fast-food”
CFESS
ABEPSS discente
ENESSO


terça-feira, 17 de maio de 2011

Encontro sobre Cidadania e Educação


ü“A cidadania expressa um conjunto de direitos que à pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida em sociedade. Quem não tem cidadania está marginalizado ou excluído da vida social e da tomada de decisões, ficando numa posição de inferioridade dentro do grupo social”DALLARI, DALMO. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 1998. p.14) .

Encontro muito interessante no UNISA , dia 12 de maio onde trouxe atenção de muitos que nunca tinha participado do NESSE !
Professor trouxe  ótimas explicações durante toda a tarde !
Sejam todos Bem-vindos ao NESSE 2011!